Detalhamento das Disciplinas Optativas

COLETA, ANÁLISE E REGISTRO MULTIMÍDIA  

CATEGORIA: Optativa 

CRÉDITOS: 4

CARGA HORÁRIA: 60 horas

EMENTA: Introdução ao registro de mídia digital: áudio, vídeo, imagem. Manipulação, catalogação, proteção, e disseminação de informação. Extração de informação de registros digitais. Anotação automática e semi-automática. Planejamento e projetos envolvendo mídia digital.

BIBLIOGRAFIA:

LÉVY, P. tecnologias da inteligência, As. Editora 34, 1993.

WANDERLEY, M. M. Instrumentos Musicais Digitais-Gestos, Sensores e Interfaces. Em Busca da Mente Musical. Curitiba: Editora da Universidade Federal do Paraná.< http://idmil.org/_media/wiki/instrumentos_digitais_final. pdf, 2006.

FARNELL, Andy. Designing sound. [s.l.]: MIT Press Cambridge, 2010.

ALTEN, Stanley R. Audio in media. [s.l.]: Cengage Learning, 1990.       

EARGLE, John. The microphone handbook. [s.l.]: Elar Publishing, 1981.

PAULETTO, S.; HUNT, A. A toolkit for interactive sonification. Proceeding of The 2004 International Conference on Auditory Display, 2004.

NOBLE, Joshua. Programming interactivity. [s.l.]: O’Reilly Media, Inc., 2009.

CANAZZA, S.; ORCALLI, A. Preserving Musical Cultural Heritage at MIRAGE. Journal of New Music Research, v. 30, p. 365–374, 2001.

BANZI, Massimo. Getting Started with arduino. [s.l.]: O’Reilly Media, Inc., 2009.

 

FUNDAMENTOS DAS ARTES DIGITAIS

CATEGORIA: Optativa 

CRÉDITOS: 4

CARGA HORÁRIA: 60 horas

EMENTA: Estudo dos conceitos, ferramentas e transformações dos meios digitais no contexto artístico e cultural. Hibridismos, correntes estéticas, questões sociais, técnicas e  epistemológicas das sociedades baseadas em informação.

BIBLIOGRAFIA

ASCOTT, R. Telematic embrace: Visionary theories of art, technology,
and consciousness. Univ of California Press, 2003.

BENJAMIN, W. A obra de arte na era da reprodutibilidade técnica. Obras
escolhidas I: magia e técnica, arte e política, p. 165-196, 1985.

DOMINGUES, D. A arte no século XXI: a humanização das tecnologias. Unesp, 1997.

DOMINGUES, D. Arte, ciência e tecnologia: passado, presente e
desafios. Editora Unesp, 2009.

LEVY, P. Cibercultura. Editora 34, 2010.

LÉVY, P. tecnologias da inteligência, As. Editora 34, 1993.

SANTAELLA, L.; ARANTES, P.; DE CARLI, A. M. S. Estéticas Tecnológicas:
novos modos de sentir. EDUC, 2008.

WANDERLEY, M. M. Instrumentos Musicais Digitais-Gestos, Sensores e
Interfaces. Em Busca da Mente Musical. Curitiba: Editora da Universidade Federal do Paraná.< http://idmil.org/_media/wiki/instrumentos_digitais_final. pdf, 2006.

FUNDAMENTOS DO ENSINO E APRENDIZAGEM EM ARTES VISUAIS

CATEGORIA: Optativa

CRÉDITOS: 4

CARGA HORÁRIA: 60 horas

EMENTA: Fundamentos epistemológicos do ensino das artes visuais, compreendendo as diferentes perspectivas que têm caracterizado o pensamento e a prática pedagógica e científica da área na contemporaneidade.

BIBLIOGRAFIA

BARBOSA, Ana Mae Tavares Bastos; AMARAL, Lilian. (Orgs.). Interritorialidade: Mídias, contextos e educação. São Paulo: SENAC/Edições SESCSP, 2008.

BARBOSA, Ana Mae. (Org.) Inquietações e mudanças no ensino da arte. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2007.

_____. (Org.). Arte/Educação Contemporânea: Consonâncias Internacionais. São Paulo: Cortez, 2006.

_____. (Org.). Arte-Educação: Leitura no subsolo. São Paulo: Cortez, 1999. 

DERDYK. Edith. Formas de pensar o desenho: desenvolvimento do grafismo infantil. Rio de Janeiro-RJ: Scipione, 1989.

DORN, Charles. Thinking in art: A philosophical approach to art education. Reston, VA: National Art Education Association, 1994.

EFLAND, Arthur D. Art and cognition: Integrating the visual arts in the curriculum. New York/London: Teachers College Press, 2002.

FRANZ, Teresinha Sueli. Educação para uma compreensão crítica da arte. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2003.

HERNANDEZ, Fernando. Cultura visual, mudança educativa e projeto de trabalho. Porto Alegre: Artmed, 2000.

KINDLER, Anna M. (Ed.). Child development in art. Reston, Virginia: The National Art Education Association, 1997.

MASON, Rachel. Por uma arte-educação multicultural. Campinas (SP): Mercado de Letras, 2001.

PILLAR, Analice Dutra. (Org.). A educação do olhar no ensino das artes. Porto Alegre: Mediação, 2001.

_____. Desenho e escrita como sistemas de representação. 2ª ed. revisada e ampliada. Porto Alegre: Editora Penso, 2012.

MARTINS, Mirian Celeste;  PICOSQUE, Gisela; GUERRA, Mirian. T. T. Didática do ensino de arte: a língua do mundo, poetizar, fruir e conhecer arte. São Paulo: FTD, 1998.

ROSSI, Maria Helena Wagner. Imagens que falam: Leitura da arte na escola. 3ª ed. Porto Alegre: Mediação, 2006.

SALLES, Cecilia Almeida. Gesto inacabado: Processos de criação artística. São Paulo: FAPESP/ Annablume,1998.

 

FUNDAMENTOS DO ENSINO E APRENDIZAGEM EM MÚSICA

CATEGORIA: Optativa

CRÉDITOS: 4

CARGA HORÁRIA: 60 horas

EMENTA: Fundamentos epistemológicos da educação musical, compreendendo as diferentes perspectivas que têm caracterizado o pensamento e a prática pedagógica e científica da área na contemporaneidade.

BIBLIOGRAFIA

BOWMAN, W. D. Philosophical perspectives on music. New York/Oxford: Oxford University Press, 1998.

BRESLER, Liora; STAKE, Rober t. Qualitative research methodology in music education. In:

COLWELL, Richard. (Ed.). Handbook of research on music teaching and learning. New York: Schirmer Books, 1992.

ELLIOT, D. J. Music matters: a new philosophy of music education. New York/Oxford: Oxford University Press, 1995.

JORGENSEN, Estelle R. Transforming music education. Indiana: Indiana University Press, 2003.

MCCARTHY, C.; HUDAK, G.; MIKLAUCI, C; SAUKKO, P. (Eds.): Sound identities: popular music and the cultural politics of education. New York: Peter Lang, 1999.

SMALL, C. Musicking: the meanings of performing and listening. Hannover/London: University Press of New England, 1998.

SWANWICK, Keith. Musical knowledge: intuition, analysis and music education. London: Routledge, 1994.

FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS E MÚSICA

CATEGORIA: Optativa

CRÉDITOS: 4

CARGA HORÁRIA: 60 horas

EMENTA: O estudo das tendências e inovações no campo da formação docente em artes visuais e música, contemplando diferentes espaços e demandas profissionais na atualidade.

BIBLIOGRAFIA

ALMEIDA, Célia Maria de Castro. Ser artista, ser professor: Razões e paixões do ofício.São Paulo: Editora Unesp, 2009.

ATLET, Margerite; PAQUAY, Leopold; PERRENOUD, Philippe. A profissionalização dos formadores de professores. Porto Alegre: Artmed, 2003.

BARBOSA, Ana Mae. Parâmetros curriculares em geral e para as artes plásticas em particular. In: Art & Educação em Revista. Porto Alegre: Rede Arte na escola/Polo UFRGS,1995. V1, n.1, p. 7-16.

BIASOLI, Carmem Lúcia A. A Formação do Professor de Arte: do ensaio… à encenação. Campinas: Papirus. 1999.

IAVELBERG, Rosa. Para gostar de aprender arte: Sala de aula e formação de professores. Porto Alegre: Artmed, 2003.

PEREIRA, J. Formação de professores: pesquisas, representações e poder. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

PHILPOTT, Chris; PLUMMERIDGE, Charles. (Eds.). Issues in music teaching. London: Routledge; Falmer, 2001.

ROSA, Maria Cristina. Formação de professores de Artes: Diversidade e complexidade pedagógica. Florianópolis, Insular, 2005.

SCHÖN, Donald. La formación de profesionales reflexivos. Barcelona: Paidós, 1992.

DISSERTAÇÕES DE MESTRADO E TESES DE DOUTORADO nas áreas de Artes e Música produzidas nos últimos três anos.

 

MEDIAÇÃO EM ARTE, CULTURA E EDUCAÇÃO

CATEGORIA: Optativa

CRÉDITOS: 4

CARGA HORÁRIA: 60 horas

EMENTA: Estudo teórico e empírico de processos de mediação em arte e cultura, contemplando diferentes contextos sociais e institucionais. Discute questões marcantes do contexto contemporâneo, como experiência estética, diversidade cultural, circuitos de produção, interação e produção de sentidos.

BIBLIOGRAFIA

AGAMBEN, Giorgio. O Que é o Contemporâneo? e Outros Ensaios. Belo Horizonte: Ed Humanidades, 2008.

BARBOSA, Ana Mae. & COUTINHO, Rejane (orgs.). Arte/educação como mediação cultural e social. São Paulo: UNESP, 2009.

BERGER, P. T., LUCKMANN, T. A construção social da realidade.12 ed. Petrópolis : Vozes, 1995

DAYRELL, Juarez. A escola como espaço sócio-cultural. Disponível em: http://ensinosociologia.pimentalab.net/files/2010/09/Dayrell-1996-Escola-espa%C3%A7o-socio-cultural.pdf Acesso: 14/abril/2013.

FRANZ, Teresinha Sueli. Educação para uma compreensão crítica da arte. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2003.

HENNION, Antoine. La Pasion Musical. Editorial Paidos Iberica: Argentina, 2007.

HOOPER-GREENHILL, Eilean. Museums and Education: Purpose, Pedagogy, Performance. London:Routledge, 2007.

GREEN, Lucy. Music on Deaf Ears: Musical Meaning, Ideology, Education. Manchester University Press, 1990.

LAHIRE, Bernard. A cultura dos indivíduos. (La culture des individus: dissonances culturelles et distinction de soi. Editions La Découverte, Paris, 2004). Porto Alegre: Artmed, 2006.

SMALL, Cristopher. Musicking: The Meanings of Performing and Listening. Wesleyan University Press. Middletown, 1998.

UNESCO. Informe Mundial sobre a cultura 2000: diversidade cultural, conflito e pluralismo. São Paulo: Moderna, 2004.

______. Convenção para a Proteção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais. Adotada pela Conferência Geral da UNESCO em sua 33ª sessão, 2005.

WOLFF, Theodore; GEAHIGAN, George. Art Criticism and Education. Urbana and Chicago: University of Illinois Press, 1997.

CIÊNCIAS COGNITIVAS E ARTES

CATEGORIA: Optativa

CRÉDITOS: 4

CARGA HORÁRIA: 60 horas

EMENTA: Estudos sobre percepção e cognição relacionados ao campo da arte e seu ensino partindo da perspectiva das ciências cognitivas. Propõe uma reflexão sobre as relações entre linguagem visual, musical e verbal.

BIBLIOGRAFIA

ARNHEIM, Rudolf. Arte e percepção visual. São Paulo: EDUSP, 1980.

CATANIA, A. C. Aprendizagem: comportamento, linguagem e cognição. Porto Alegre: Artmed, 2006.

COOK, P. R. Music, cognition, and computerized sound: An introduction to psychoacoustics. MIT press, 2001..

GARDNER, Howard. Estruturas da mente: A Teoria das inteligências múltiplas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1994.

HOFFMAN, Donald. Visual intelligence: How we create what we see. W.W. Norton, 2000.

KOSSLYN, Stephen. Image and brain: The resolution of the imagery debate. 2nd Cambridge (MA); London: The MIT Press, 1996.

MARINA, José Antonio.Teoria da Inteligência Criadora. Lisboa: Editorial Caminho, 1995,  pp. 29-63.

MITHEN, Steven. A pré-história da mente: Uma busca das origens da arte, da religião e da ciência. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

PINKER, Steven.Como a mente funciona. 2a Ed. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

SOLSO, Robert. Cognition and the visual arts. M.I.T. Press, 1994.

VYGOTSKY, L. S. Estudos sobre a história do comportamento: Símios, homem primitivo e criança. (1ª ed. 1993, Studies on the history of behavior: ape, primitive, and child, Lawrence Erbaum Associates). Porto Alegre: Artes Médicas, 1996

ZEKI, Semir. Inner Vision: An exploration of art and the brain. Oxford UniversityPress, 1999.

TEORIAS DA PRODUÇÃO E RECEPÇÃO

CATEGORIA: Optativa

CRÉDITOS: 4

CARGA HORÁRIA: 60 horas

EMENTA: Fundamentação teórica envolvendo questões da estética, análises críticas, noção de autoria e poéticas contemporâneas. Tem como objetivo aprofundar estudos sobre as obras de arte dentro do seu contexto de produção e de recepção e pensar as propostas artísticas através dos conceitos abordados.

BIBLIOGRAFIA

BARTHES, Roland. A Morte do Autor. In: O Rumor da Língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: ______.Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política. 1ª ed., 10a. reimpressão. São Paulo: Brasiliense, 1996.

DUCHAMP, Marcel. O ato criador [1961]. In: BATTCOCK, Gregory. A nova arte. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1986, pp. 71-74.

ECO, Umberto. Interpretação e Superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

____________. A Obra Aberta. Perspectiva: São Paulo, 1991.

ELIOT, T.S. A tradição e o talento individual. In: Ensaios de doutrina crítica. Lisboa: Guimarães, 1962.

FOUCAULT, M. O que é um autor?. In: ______. Ditos & Escritos III. Trad. Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009. p. 264-298.

LÉVY, Pierre.  Cibercultura. São Paulo, Editora 34, 1999.

JAUSS, Hans Robert. A história da literatura como provocação à teoria literária. Trad.Sérgio Tellaroli. São Paulo: Ática, 1994.

PLAZA, Julio. Arte e interatividade: autor-obra-recepção. ARS (São Paulo) vol.1 no.2 São Paulo, Dec. 2003.

SONTAG, Susan. Contra a interpretação. Porto Alegre: L&PM, 1987.

CORRESPONDÊNCIA ENTRE AS ARTES: COMPARAÇÕES E REFLEXÕES ESTÉTICAS

CATEGORIA: Optativa

CRÉDITOS: 4

CARGA HORÁRIA: 60 horas

EMENTA: A disciplina aborda a tradição das relações entre os fazeres artísticos, identificando afinidades, semelhanças e diferenças entre as artes. São abordadas as correspondências intersensoriais, a tradução intersemiótica, bem como o esvanecimento das fronteiras entre as categorias das artes.

BIBLIOGRAFIA

A poética clássica: Aristóteles, Horácio, Longino. Tradução de Jaime Bruna. São Paulo: Cultrix, 1997.

ADORNO, Theodor W. Teoria Estética. Tradução de Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1993

BARTHES, Roland. O óbvio e o obtuso: ensaios críticos III. Tradução de Léa Novaes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira: 1990.

DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos, o que nos olha. Tradução de Paulo Neves. Prefácio de Stéphane Huchet. São Paulo: Editora 34, 1998.

DÜCHTING, Hajo. Paul Klee: painting and music. New York: Prestel, 1997.

GENETTE, Gérard. A obra de arte I: imanência e transcendência. Tradução de Valter Leilis Siqueira. São Paulo: Littera Mundi, 2001.

GOODMAN, Nelson. Linguagens da arte: uma abordagem a uma teoria dos símbolos. Tradução de Vítor Moura. Lisboa: Gradiva, 2006.

KANDINSKY, Wassily. Do espiritual na arte e na arte em particular. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

LESSING, G. E. Laocoonte ou sobre as fronteiras da pintura e da poesia. Introdução, tradução e notas de Márcio Seligmann-Silva. São Paulo: Iluminuras, 1998.

SOURIAU, Étienne. A correspondência das artes: elementos de estética comparada. Tradução de Maria Cecília Queiroz de Moraes Pinto e Maria Ribeiro da Cunha. São Paulo: Cultrix, Edusp, 1983.

CRIAÇÃO E PERFORMANCE: INTERAÇÃO SOM, PALAVRA E IMAGEM

CATEGORIA: Optativa

CRÉDITOS: 4

CARGA HORÁRIA: 60 horas

EMENTA: Criar e executar obras que tenham como premissa a interação entre dimensões do som, palavra ou imagem, através da pesquisa e elaboração de materiais expressivos capazes de promover estes diálogos. A disciplina tem como objetivo propor conceitos passíveis de funcionar como controladores do fazer artístico, através de um processo de análise reversa.

BIBLIOGRAFIA

ALTMAN, Rick (ed.). Sound theory, sound practice. Londres: Routledge, 1992.

DÜCHTING, Hajo. Paul Klee: painting music. Munique: Presstel, 2004

CHATMAN, Seymour. Story and discourse: narrative structure in fiction and film. Ithaca: Cornell University Press, 1980

CHION, Michel. Audio-vision. Trad. Claudia Gorbman. New York: Columbia University Press, 1994.

CHION, Michel. Film, a sound art. Trad. Claudia Gorbman. New York: Columbia University Press, 2009.

COMBARIEU, Jules. Les rapports de la musique et de la poésie. Paris: Vrin, 1994.

COOK, Nicholas. Analysing Musical Multimedia. Oxford, Oxford University Press, 1998.

GIBSON, James J. A theory of pictorial perception. Audio-visual Communication Review. V. 2, p. 3-23, 1979.

MARTINEZ, J. L. Música e Intersemiose. Galáxia, São Paulo, V. 8, p. 161-189, 2004.

NATTIEZ, Jean-Jacques. Musical and Discourse – Toward a Semiology of Music. Princeton, Pinceton, 1990.

SANTAELLA, Lúcia. Matrizes da Linguagem e do Pensamento: sonora visual verbal. São Paulo, Iluminuras, 2005.

CURADORIA E ARTE CONTEMPORÂNEA

CATEGORIA: Optativa

CRÉDITOS: 4

CARGA HORÁRIA: 60 horas

EMENTA: Aborda as questões curatoriais tanto do ponto de vista autoral, quanto do ponto de vista dos processos de legitimação da arte. O objetivo é discutir e provocar reflexões sobre questões tais como o atual sistema das artes, o colecionismo, a criação de acervos, a criação de museus reais e ficcionais, a crítica, o artista curador. 

BIBLIOGRAFIA

ADORNO, Theodor W. “Museu Valéry Proust” [1953]. In: __. Prismas. São Paulo: Ática, 1998, pp. 173-185.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira; ARAÚJO, Marcelo Mattos. Exposição Museológica: uma Linguagem para o Futuro. Cadernos Museológicos, nº 1-2, IBPC / Minc, 1989.

BAUDRILLARD, Collecting Cultures. In: John Elsner and Roger Cardinal [orgs.] The Cultures of Collecting. London: Reaktion, 1994.

GREENBERG, Reesa; FERGUSON, Bruce; NAIRNE, Sandy (Orgs.). Thinking about Exhibitions. London and New York: Routledge, 1996.

HUYSSEN, Andreas. “Escapando da Amnésia – o museu como cultura de massa”. In: __. Memórias do Modernismo. Rio de Janeiro: editora UFRJ, 1996, pp. 222-255.

MALRAUX, André. O museu imaginário: as vozes do silêncio. Lisboa: Edições Livros do Brasil, s. d.

MARTINEZ, Elisa de Souza. Textos efêmeros, leituras duradouras: a História da Arte como um projeto curatorial. In: Anais do XXVI Colóquio do Comitê Brasileiro de História da Arte. Belo Horizonte: C/Arte, 2007.

MARTINEZ, Elisa de Souza. Um percurso de pesquisa em curadoria: anotações para uma abordagem metodológica. In: Anais do 15° Encontro Nacional da ANPAP. Salvador, 2007.

OBRIST, Hans Ulrich. Uma breve história da curadoria. São Paulo: BEI Comunicação, 2010.

O’DOHERTY, Brian. No interior do cubo branco. A ideologia do Espaço da Arte. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

SCHAER, Roland. L’invention des musées. Paris: Découvertes Gallimard, Réunion des Musées Nationaux, 1993.

SCHWARCZ, L. K. M. O nascimento dos museus brasileiros 1870-1910. In: História das Ciências Sociais no Brasil. São Paulo: IDESP/ Vértice/ FINEP, 1989. p.20-71.

TEORIAS CRÍTICAS DAS ARTES

CATEGORIA: Optativa

CRÉDITOS: 4

CARGA HORÁRIA: 60 horas

EMENTA: Estudo de correntes críticas das artes a partir de teorias e análise de conceitos contemporâneos avaliando a importância de tais noções para a concepção e o exercício da teoria, e de análises e crítica de arte.

BIBLIOGRAFIA

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Trad. Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó – SC: Argos, 2009.

AGAMBEN, Giorgio. Profanações. Trad. Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2007.

BARTHES, Roland. O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1996.

BENJAMIN, Walter. A modernidade. Trad. João Barrento. Lisboa: Assírio & Alvim, 2006.

CAUQUELIN, Anne. Arte contemporânea: uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

DANTO, Arthur. Após o fim da arte: a arte contemporânea e os limites da história. São Paulo: EdUSP, 2006.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vaga-lumes. Belo Horizonte, ED. UFMG, 2011.

FOUCAULT, Michel. Ditos & escritos III. Trad. Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

PERNIOLA, Mario. Desgostos: novas tendências estéticas. Florianópolis: EdUFSC, 2010.

VIRNO, Paolo. Gramática da multidão: para uma análise das formas de vida contemporâneas. São Paulo: Annablume, 2013.

FUNDAMENTOS DE ANÁLISE MUSICAL

CATEGORIA: Optativa

CRÉDITOS: 4

CARGA HORÁRIA: 60 horas

EMENTA: Estudo de ferramentas analíticas para interpretação de obras musicais do passado e contemporâneas. Investigação dos elementos constitutivos das obras e da função que exercem na estrutura musical.

BIBLIOGRAFIA:

BENT, Ian D. POPLE, Anthony. “Analysis”. New Grove dictionary of music and musicians. London: Macmillan, 2001. v.1.

BERRY, Wallace. Structural functions in music. New Jersey: Prentice-Hall, 1976.

CAGE, John – Silence. Middletown, Wesleyan University Press, 1961

COOK, Nicholas (1992). A Guide to Musical Analysis. Bristol: Oxford University Press, 1994.

COTT, Jonathan. Conversations avec Stockhausen. Paris, J.C. Lattès, 1979

DALMONTE, Rossana – Entretiens avec Luciano Berio – Paris, J.C.Lattes, 1983

FORTE, Allen. The structure of atonal music. New Haven, Yale University Press, 1973.

MESSIAEN, Olivier. Technique de mon Language Musical. Paris, Leduc, 1955.

PERSICHETTI, Vincent. Twentieth-Century Harmony. W.W.Norton & Company Inc., New York, 1961

SCHOENBERG, Arnold. Fundamentos da composição musical. São Paulo, Usp, 1991.

 

 

 

 

 

PALAVRAS E ESCRITOS DE ARTISTA

CATEGORIA: Optativa

CRÉDITOS: 4

CARGA HORÁRIA: 60 horas

EMENTA: Discussão de processos de trabalho de determinados artistas, com intuito de salientar como cada pesquisador responde ao desafio de equacionar a singularidade de seu fazer artístico com o pertencimento deste fazer a um território de problemas e discussões compartilhados por uma comunidade interpretativa.

BIBLIOGRAFIA:

BASBAUM, Ricardo Roclaw. Você gostaria de participar de uma experiência artística? (+ NBP). 2008. Tese (Doutorado em Artes) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo.

BASBAUM, Ricardo. Manual do artista-etc. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2013.

CAGE, John – Silence. Middletown, Wesleyan University Press, 1961.

CALVINO, Ítalo. Palomar. Tradução de Ivo Barroso. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

COTT, Jonathan. Conversations avec Stockhausen. Paris, J.C. Lattès, 1979

DALMONTE, Rossana – Entretiens avec Luciano Berio – Paris, J.C.Lattes, 1983

DUCHAMP, Marcel. O ato criador. In: BATTCOCK, Gregory. A Nova Arte. São Paulo: Perspectiva, 2002. p. 71-74.

ENO, Brian. Curas Milagrosas e a Canonização de Basquiat. Tradução de Antonio Marcos Pereira. Lindonéia, Belo Horizonte, n. 2, 2013. Disponível em: http://www.estrategiasarte.net.br>. Acesso em: 10 fev 2014.

FERREIRA, Glória e COTRIM, Cecília (Org.). Escritos de artistas: anos 60/70. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

SCHOENBERG, Arnold. Fundamentos da composição musical. São Paulo, Usp, 1991.

HISTÓRIA DA MÚSICA ATRAVÉS DA PERFORMANCE

CATEGORIA: Optativa

CRÉDITOS: 4

CARGA HORÁRIA: 60 horas

EMENTA: Estudo da Performance Musical como fonte de conhecimento histórico. Análise dos diferentes significados atribuídos a determinados parâmetros de performance e sua relação com o desenvolvimento de tecnologias em diferentes períodos históricos. 

 

TÓPICOS ESPECIAIS 1

CATEGORIA: Optativa

CRÉDITOS: 1

CARGA HORÁRIA: 15 horas

Ementa:  A disciplina acolhe propostas ligadas aos projetos de pesquisa do corpo permanente e colaborador e de professores convidados.

 

TÓPICOS ESPECIAIS 2

CATEGORIA: Optativa

CRÉDITOS: 2

CARGA HORÁRIA: 30 horas

Ementa: A disciplina acolhe propostas ligadas aos projetos de pesquisa do corpo permanente e colaborador e de professores convidados.

 

TÓPICOS ESPECIAIS 3

CATEGORIA: Optativa

CRÉDITOS: 3

CARGA HORÁRIA: 45 horas

Ementa: A disciplina acolhe propostas ligadas aos projetos de pesquisa do corpo permanente e colaborador e de professores convidados.